pub

A Câmara Municipal de Coimbra vai oferecer à cidade, como já é tradicional, um concerto de Ano Novo protagonizado pela Orquestra Clássica do Centro (OCC), no próximo dia 06 de janeiro, às 19h30. O espetáculo, que decorrerá no Salão Nobre dos Paços do Concelho, sem a presença de público, será transmitido online e em direto no Facebook e Youtube do município, de forma a possibilitar que muitas mais pessoas possam celebrar, com a música, a entrada em 2021, e garantindo o rigoroso cumprimento de todas as orientações das autoridades de saúde no combate à pandemia COVID-19. O concerto será interpretado pelo Ensemble da OCC, constituído por um quinteto de cordas, um percussionista e a soprano Dora Rodrigues.

Apesar das atuais circunstâncias pandémicas, a CM Coimbra decidiu oferecer à cidade um evento que já faz parte da agenda cultural do município, optando por realizá-lo num formato diferente, salvaguardando a saúde pública e cumprindo as medidas de contingência da COVID-19. O concerto vai, então, decorrer no Salão Nobre dos Paços do Concelho, estando asseguradas o arejamento e a limpeza e higienização do espaço antes e depois do evento, a chegada dos intérpretes e da equipa técnica com antecedência ao local, o distanciamento físico de 2m uns dos outros e o uso obrigatório de máscaras de proteção.

O evento, que tem como intuito celebrar a entrada no novo ano e proporcionar aos munícipes um momento musical de elevada qualidade, vai ser transmitido online, em direto, no Facebook e Youtube do município à semelhança da edição especial de Fim de Ano. O concerto vai ser realizado pela Ensemble da OCC, constituído por um quinteto de cordas (Pedro Carvalho e Ana Carvalho no violino, David LLoyd na viola d’arco, Raquel Ribeiro no violoncelo e Rui Morais no contrabaixo), o percussionista Davy Tremlet e a soprano Dora Rodrigues, que interpretarão obras de P Tchaikovsky (Valsa das Flores; Trepak – Dança Russa), A. Ponchielli (Dança das Horas), A. Dvorak (Dança Eslava n.º 8 e Rusalka – Měsíčku na nebihlubokém “Canção da Lua”), Joseph Lanner (Hans-Jorgel-Polka), J. Strauss (Pizzicato Polka), G. Puccini (“O mio babbino caro”), C. Gounod (“Oh, Dieu! Ah! Je ris…”), E. Kálmán (“Heia, in den Bergen”) e F. Lehar (Meine Lippen).

Esta é uma forma da autarquia continuar a proporcionar aos cidadãos e a todos os interessados um concerto que a cada ano tem tido maior afluência de público ao Salão Nobre.

pub