pub

O anúncio da nova Superliga Europeia está a abalar o futebol europeu. A competição foi criada por 12 clubes de Espanha, Itália e Inglaterra.

Uma competição criada à margem da UEFA para 20 clubes: cinco, mediante o resultado desportivo da época anterior e 15 com lugar cativo. Denominam-se os clubes fundadores e 12 já se apresentaram: Manchester City; Tottenham; Arsenal; Machester United; Chelsea; Liverpool; Inter; Juventus; Milan; Atlético de Madrid; Barcelona e Real Madrid.

O presidente dos merengues, Florentino Perez, é também o presidente da Superliga Europeia e defende que esta é a única forma de salvar o futebol da crise provocada pela pandemia:

O modelo competitivo assenta em dois grupos de 10 equipas que jogam entre si, a duas voltas, a meio da semana. Os quartos e quintos classificados vão ao play-off. Os três primeiros têm apuramento direto para os quartos de finais.

Neste novo capítulo do futebol europeu, os fundadores da Superliga querem continuar a competir nas ligas domésticas e a manter o diálogo com a FIFA e a UEFA.

No entanto, a UEFA já avisou que os jogadores que alinharem na Superliga não voltam a jogar nas seleções nacionais e ameaçou banir os clubes de todas as competições, como sustentou o presidente Aleksander Ceferin:

A anunciada criação de uma Superliga Europeia está a abalar o mundo do futebol e não só e promete dar que falar nos próximos tempos. O novo formato aponta o mês de agosto como o início da Superliga.

pub